Blog » Saúde & Bem Estar

Depressão na adolescência: veja os sinais e como identificar

Tanto nos adolescentes quanto nos adultos os sinais de depressão são idênticos, mas com uma pequena diferença: Enquanto nos adultos a depressão traz tristeza, nos jovens, traz irritabilidade.
Comum na faixa dos 13 aos 15 anos, a doença pode ser decorrente de problemas e situações diversas: separação dos pais, anseios e dúvidas na escola, drogas, amizades duvidosas, dentre outros.
O fato é que existe uma razão para que aquele menino esperto de outrora ou aquela menina sempre risonha estejam tão diferentes. É através deste comportamento que os sinais de depressão aparecem.
Geralmente, o adolescente começa lentamente a se isolar do mundo. É comum confundir este sinal com o fato de que muitos jovens se tornam mais "calados" ou "rebeldes". Contudo, a vontade de estar sempre sozinho, dormindo, fechado no quarto, vem acompanhada de outros fatores que precisam ser observados:

Falta de sono à noite

O jovem passa horas acordado durante a madrugada ouvindo música ou conversando pela internet / telefone. Porém, não quer papo com ninguém da casa, conversando apenas o trivial.

Falta de interesse e paixão por certas atividades

Perde-se o interesse em atividades esportivas ou qualquer outra que proporcione prazer. Esta palavra, aliás, é como se fosse apagada do vocabulário do jovem que sofre com depressão. Nada lhe traz interesse ou prazer e tudo lhe incomoda ou lhe enche de tédio.

Falta ou excesso de fome

Em muitos casos, o adolescente sente uma fome de leão a todo instante em decorrência da ansiedade e da necessidade que sente de preencher um vazio dentro de si. É como se satisfação proporcionada pela comida bastasse. Noutros, o apetite desaparece. A comida perdeu o sabor.

Irritabilidade e falta de atenção

Nada se pode conversar perto dele (a), que já é motivo para uma indireta seguida de briga e muito choro. Até mesmo a velha brincadeira pode acabar na terceira guerra mundial dentro de casa. Noutros casos você pode falar por horas com eles que nada entenderão. A falta de atenção será uma constante.

Conteúdos

Preste atenção no que seu filho passou a ler, assistir e a ouvir de uma hora para outra. Tais conteúdos já indicam tendências depressivas, suicidas, principalmente quando apontam o culto à morte, ao medo, à violência. Muitas vezes o uso de drogas propicia estes sinais.

O que fazer?

Primeiramente, é necessário que os pais estejam sempre perto dos filhos. Não existe espaço entre pais e filhos. Tanto o pai como a mãe devem estar preparados para abraçar, olhar nos olhos e ouvir, para depois ajudar.
É preciso também estar preparado para levar o jovem a um psiquiatra. Não se trata de uma loucura, mas sim de uma mudança em sua vida que precisa ser analisada por um profissional.
Ser jovem é se abrir para um mundo inexplorado, novo e, portanto, assustador. Mas quando visto com amor e sob a ótica de quem mais se confia (os pais) pode ser também apaixonante. O diálogo pode ajudá-lo (a) a sair da depressão mais rápido e voltar a ser o que era antes.